fbpx

Noragami – Você teria um minuto para ouvir a palavra do Deus Yato?

É com muito prazer que venho trazer a resenha de Noragami que, disparado, é um de meus animes favoritos e o que mais me faz sofrer por uma nova temporada. Então, vamos lá!

Noragami

Noragami e suas “especificações”

Noragami é uma obra sobrenatural de (muita) comédia, ação, aventura e (menos do que deveria) de romance sobre um deus desconhecido em sua busca por reconhecimento, uma garota colegial sem noção do perigo e um espírito adolescente para lá de mal-humorado. O mangá é escrito pela dupla de mangakás Adachitoka desde 2011 e publicado pela Kodansha. Já o anime foi produzido pelo estúdio Bones e contou com 2 temporadas de 13 episódios + quatro OVAs, tudo finalizado em 2015. O mangá continua a ser escrito, embora tenha recentemente entrado em hiato por conta da saúde de um de seus mangakás, mas não há previsão de retorno para o anime… *snif*.

Começando pelas partes técnicas, é preciso enaltecer a excelente animação do estúdio Bones, que mantém a qualidade em ambas as temporadas e nos OVAs. O design de personagens é super aesthetic e a trilha sonora condizente com cada momento (preciso dizer, inclusive, que adoro os temas de abertura e encerramento). Sobre o roteiro, soube que houve algumas alterações e rearranjos para manter a coerência e fluidez da história (principalmente na primeira temporada), e eu sinceramente não percebi grandes problemas quanto a isso. Cada temporada é dividida em dois pequenos arcos e ambos correm bem. Tecnicamente, o anime tem um desempenho respeitável, mantendo a nossa empolgação até o final.

O Deus que usa Moleton

Agora vamos aos detalhes (sem spoilers, é claro). A história começa quando Yato, o deus que usa moletom, acaba conhecendo Hyori após ela tentar salvá-lo de um atropelamento. Porém, em decorrência de tocá-lo, a alma da pobre fica desprendida do próprio corpo e sujeita a viagens astrais ocasionais involuntárias. Hyori então contrata os serviços do deus para que ele a ajude a desfazer essa situação e, de quebra, acaba descobrindo a existência de uma realidade sobrenatural de seres fantásticos que nunca pensara ser possível, e um mundo de problemas que a relação com Yato vai trazer.

Noragami yato

Noragami é uma história sobre amizade e companheirismo. Pensando agora sobre as lições que eu possa ter guardado após assisti-lo duas vezes, eu diria que a maior reflexão que tive foi a respeito da importância e impacto que temos na vida das outras pessoas. De forma metafórica e utilizando-se de temas sobrenaturais da mitologia japonesa, o anime me levou a pensar como somos seres cujas ações podem causar reações negativas ao nosso redor, principalmente àqueles que nos querem mais. Além, é claro, de nos deformarmos quando entregues à maldade, ficando irreconhecíveis.

Esse foi o mote de ambas as temporadas, que exploraram bastante esse jogo de influências que ocorre em nossas vidas, podendo tanto nos destruir quanto fortalecer. Os espíritos humanos foram representados na figura dos shinks e seriam eles os mais propícios a cometer erros que machuquem os outros, porém todos os seres mostraram-se passíveis disso, até mesmo os deuses. Mesmo que o estrago provocado por suas ações não possa ser visto, como acontece com a corrupção dos shinks, ele ainda estará lá.

A série desenvolve o relacionamento de seus personagens baseando-se nesses conceitos de lealdade e responsabilidade, na fragilidade dos sentimentos e das vontades, nos sacrifícios que fazemos pelos outros e sobre como é importante cortar as relações certas. Para lá dos clichês de amizade, aqui vemos algo levemente parecido com o que temos em Sangatsu no Lion, não em sua execução, mas na forma como a vida de ambos protagonistas é mudada quando encontram pessoas emocionalmente maduras e estáveis que são capazes de ajudá-los a sair de um ciclo de vida repleto de violência e abusos.

O elenco de personagens também equilibra muito bem os momentos de drama e comédia, conseguindo ser hilários e dramáticos na mesma intensidade. Em suma, sua construção é de fato a alma da série (e sério, quem assistiu ao anime e não ama pelo menos o Yato, volta lá e assiste direito). Só o trio de protagonistas já carregaria a história nas costas, mas todos os coadjuvantes, amigos e inimigos, ganham seu devido espaço para mostrar a que vieram e ao final cabem todos eles no coração. Durante todo o anime você é levado a duvidar seriamente se gostará de certos personagens (Yukine, por exemplo), mas não tem jeito, o roteiro acha formas de torná-los complexos o suficiente para serem amados (até a Nora, aos 45 do segundo tempo, moveu meu kokoro).

Noragami e seus personagens marcantes

Mas, eu queria mesmo abrir um espaço aqui só para falar da Hyori que, devo dizer, é minha personagem favorita deste vasto mundo otaku. Não só ela é essencial na história, como sua imagem é retratada com respeito pelo roteiro, que a descreve de forma realista, sem ser a típica garota irritante e dependente. A Hyori é madura emocionalmente, reconhece os próprios erros e mesmo sendo o ser mais fraco dentre todos os da obra, há nela uma coragem e força que falta a muitos deles. Em resumo, ela arrasa. #girlpower!

Advertisements
Loading...
Noragami

Também é importante falar sobre o Yato, mas não tenho nem o que dizer (se não fosse por seu irmão de mesmo dublador, Levi Ackerman, ele seria meu personagem masculino favorito de todos os tempos também). É muito fácil gostar do Yato, não só porque ele é simplesmente hilário, mas por toda a bagagem emocional que ele carrega. Difícil é terminar o anime e não ir correndo pro mangá ver se ele está bem rs. O cliffhanger gigantesco deixado na forma da revelação do que parece ser o grande vilão da série (e da vida do Yato) foi uma crueldade sem tamanho.

E crueldade também é o último tópico que vamos abordar hoje: o romance que caminha a passos de bebê. Às vezes eu não me conformo com essas coisas. Tudo bem que talvez eu seja a louca do shipp e não possa ver um casalzinho que já quero juntar? Sim, talvez eu seja essa pessoa. Mas, poxa vida, assiste lá e me fala se eles não merecem um final mega feliz de derreter o coração? E por querer um desenvolvimento digno desse casal e saber que isso leva tempo é que vou pegar leve na crítica para esse aspecto.

Mas, se beijem logo, pelo amor dos deuses!

O que nos resta é contentar-nos com as fofurinhas que eles protagonizam aqui e ali e que também acabam sendo o clímax das temporadas.

Noragami

Conclusão

E é isso, folks. Espero ter feito um review digno desse anime que amo tanto. O intuito aqui é sempre criar reviews que expressem a opinião, tocando nos pontos fortes e fracos dos animes, porém não revelando muito do enredo, para que assim vocês se sintam incentivados a ir lá assistir (ou fugir para as colinas). No caso de Noragami, que é um excelente entretenimento e merece urgente uma continuação, espero que vocês se juntem a nós do culto do deus Yato!

Até a próxima!

Advertisements
Loading...

Mari Bortuluzzo

Mari Bortuluzzo

Universitária porque o capitalismo obriga e otaku por amor. Já que não dá pra engrenar na carreira de Hokage, a gente escreve sobre os nossos animes favoritos e espalha a palavra desse universo tão vasto e divertido.

%d blogueiros gostam disto: