Top Gun: Maverick – Uma sequência INDOMÁVEL!

Top Gun: Maverick – Uma sequência INDOMÁVEL!

Top Gun: Maverick, um dos mais aguardados filmes antes da pandemia, finalmente estreou. Acompanhe abaixo nosso review SEM SPOILERS do filme.

Elenco e Enredo Indomáveis!

Dirigido por Joseph Kosinski e trazendo o super-astro Tom Cruise no papel do veterano Pete “Maverick” Mitchel, Top Gun: Maverick traz tudo o que fez o primeiro filme um sucesso, e o atualiza totalmente.

O enredo do filme mostra Maverick, ainda capitão da Marinha, como piloto de testes de aeronaves. Obviamente, por seu gênio rebelde, é enviado para seus superiores, o melhor piloto da TOP GUN de 1988 “Cyclone” (Jon Hamm) e um de seus colegas da turma de 1986, o piloto “Warlock” (Charles Parnell). Ao chegar, descobre que foi indicado por seu amigo e rival “Iceman” (Val Kilmer), que agora é almirante, para a missão de preparar 6 pilotos para uma missão suicida durante três semanas.

Tom Cruise, de volta ao papel que transformou sua carreira

Ao se deparar com os pilotos, todos já formados na escola TOP GUN (que, entendemos no primeiro filme que é de onde os melhores pilotos americanos vem), Maverick vê traços de si mesmo em todos estes jovens corajosos. Do convencido “Hangman” (Glen Powell), passando pela corajosa “Phoenix” (Monica Barbaro) ao tímido “Bobby” (Lewis Pullann), o maior dilema de relacionamento do filme se dá com o garoto Bradley “Rooster” Bradshaw, filho de seu falecido parceiro “Goose“. Além da difícil missão de treinar os jovens e o dever de tentar fazer com que sobrevivam (Acreditem, a missão é realmente complicada), Maverick ainda tenta acertar sua complicada vida pessoal e amorosa com a romântica Penny (Jennifer Conelly).

Um grupo de corajosos pilotos, em uma missão suicida

Novamente, Maverick se vê em uma situação onde tudo está contra ele!

Top Gun: Maverick mostra não só novamente o porquê Maverick é o personagem mais importante da carreira de Tom Cruise, como também desenvolve ainda mais o personagem. O filme tem ação, trilha sonora, nostalgia com relação a várias referências do primeiro filme, drama e humor bem balanceados. Além de tudo, o filme tem muito coração. Não é um caça-níquel! O filme é sobre família, coragem, uma homenagem à aviação e principalmente, de como somos quanto a humanidade.

A ação e Top Gun: Maverick

Antes do filme começar, nos é mostrado um vídeo curto sobre a produção do filme. Existem pelo menos, mais de 800 horas de material bruto. O filme foi todo pensado e testado para os cinemas. Todas as interações dentro dos cockpits dos F-18 (Os astros da vez) são reais. O elenco todo teve treinamento para aguentar a força G em seus corpos durante as filmagens. Com isso em mente, em todas as maravilhosas sequências de ação do filme, não tem como ficar admirado com o resultado final.

A força G, agindo com força em Maverick. Todas as cenas foram filmadas de dentro dos F-18!

O filme é explosivo e cheio de adrenalina. Não só nas cenas de treinamento e combate, mas também em cenas básicas como Maverick andando de moto, tudo te traz emoção e movimento. A fotografia e enquadramentos do filme são um show à parte. O espetáculo visual está em tudo. Além do mais, a trilha sonora do filme em si passeia dos temas Nostálgicos aos atuais, e nas cenas de combate, se sobressaem totalmente. Ou seja, quem vai assistir Top Gun: Maverick pelas famosas “Dog Fights!” de caças, está totalmente servido.

Nostalgia à serviço da atualidade

Pode parecer que não, mas o filme é bem atual. O porque disso, é que como humanidade, sinceramente não mudamos tanto assim. O filme mostra isso. Embora toda a carga nostálgica como em cenas emocionantes entre Maverick e Iceman (essa aqui me tirou lágrimas dos olhos), o filme não se apega ao brega ou esteriótipos que haviam no primeiro filme.

Top Gun: Maverick
Val Kilmer retorna como o grande Ás, Iceman!

Lembro a vocês leitores, que o primeiro filme é um produto de seu tempo. Era guerra fria, e além do drama e da trilha sonora envolventes (clichê da época), o filme funcionava como uma propaganda dos F-14 TOMCAT (O famoso caça). Aqui, embora ainda tenha uma carga nacionalista (afinal, estamos falando de americanos), o filme não se apega à isso. Existe um inimigo, mas ele não é nominado. Achei isso bem assertivo.

Além de tudo, o próprio romance entre Maverick e Penny, é bem sincero e sem cenas extravagantes, trazendo romantismo e humor em uma ótima entrega dos atores. Aqui, minha única crítica é que Penny poderia ser melhor trabalhada, pois ela é um personagem que foi apenas referenciada no primeiro filme e aqui, em Top Gun: Maverick, ela é inclusive uma bússola de decisões para Maverick.

Top Gun: Maverick
Penny, vivida por Jennifer Conelly, é o par romântico de Maverick

Mas, a cereja do bolo da carga dramática, é entre Maverick e Rooster, o filho de seu falecido parceiro de pilotagem Goose. É aqui que todas as melhores mensagens do filme, emoção e a diferença entre os dois filmes, é passada. A entrega dos atores neste relacionamento paternal/protetivo e todo o desenvolvimento disso mediante a missão, são extremamente sinceros e bem trabalhados. Não tem como não se sentir extasiado com tudo o que acontece entre eles no filme. Talvez, muitos pais se identifiquem com estes sentimentos conflitantes.

Top Gun: Maverick
Milles Teller, como Rooster

Top Gun: Maverick vale a pena?

VALE DEMAIS! Eu saí totalmente arrepiado do filme, e só de lembrar dele redigindo este review para vocês, eu me arrepio. O filme é bonito, explosivo, com muita ação e com um final digno. E vale lembrar, que relacionado a finais, eu consigo imaginar pelo menos mais três pelo tanto de situações criadas pelo filme. O melhor de tudo: NÃO DEIXA PONTAS SOLTAS! De longe, foi uma das melhores sequências de filmes e com certeza, das que demoraram mais de dez anos para acontecer, a melhor delas! Top Gun: Maverick é um filme feito para todos! Ele funciona muito bem para quem não assistir ao primeiro, pois contextualiza o espectador com flashbacks/referências. Talvez, atrapalhe na carga nostálgica, mas não tira o brilhantismo do filme.

Agradeço muito por estar vivo e conseguir assistir a uma obra dessa nos cinemas! Assistam… Apenas assistam!

Nota do Redator: 5/5

Léo Palmieri

Léo Palmieri

Pai, marido, nerd. Fã do Surfista Prateado e do Superman, juntou uma equipe de super-pessoas para trabalhar no projeto Crossover NERD com o intuito de divulgar o belíssimo mundo geek!