Maus – Um triste lembrete para a Humanidade

Maus – Um triste lembrete para a Humanidade

Maus com toda a certeza, é uma das maiores obras da nona arte. Acompanhe abaixo o nosso review SEM SPOILERS da obra.

Quadrinho de Guerra! Oba… pera… só que não!

Maus, a famosa Graphic Novel escrita e desenhada por Art Spiegelman e também conhecida pelo seu merecido prêmio Pulitzer em 1992, é aquela leitura que nos faz refletir durante dias após a leitura. Recentemente, terminei minha terceira leitura à obra e cada vez que a leio, parece que encontro algo novo ou um detalhe que perdi.

A História narra a saga de Vladek Spiegelman, pai de Art Spiegelman e um Judeu polonês sobrevivente do Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial. O quadrinho além de ser a história de Vladek, também é um pouco da história do próprio autor Artie.

O Leitor é conduzido durante situações onde Artie tecnicamente entrevista seu pai sobre todos os acontecimentos, tomando nota de tudo. Durante a narrativa, tudo nos é mostrado de forma magistral e muito bem conduzida. Mas, não é apenas os relatos de Vladek que fazem parte da história. O Relacionamento interpessoal de Vladek com sua segunda esposa, com a esposa de Artie, com seus vizinhos e o próprio autor, são mostrados aqui.

A vida de Vladek por suas experiências

Um detalhe muito interessante para se saber antes de ler Maus, é que devemos entender que nós brasileiros somos um povo latino e como tais, temos um tipo de relacionamento muito mais afetivo com nossos semelhantes. Família, amigos e outras coisas têm um valor muito alto para nós. No caso de Vladek, existem estes sentimentos, mas tudo é mostrado de uma forma muito mais pragmática. Por este motivo, Vladek possui costumes e manias muito incomuns para pessoas como nós, mas totalmente normais se levarmos em conta tudo o que passou, e de sua herança de criação.

Tendo o exposto acima em mente, podemos concluir que aqui não é só mais um quadrinho de guerra ou de super-heróis. É uma narrativa da vida como ela é, como foi e em certos aspectos, vai continuar sendo até onde a humanidade levar. Maus é uma leitura onde em certo ponto, podemos nos identificar com vários aspectos. É incrível como uma narrativa tão pesada sobre o Holocausto, pode fazer nós olharmos para nossas próprias vidas e nos colocar para refletir.

Durante a “entrevista” de Artie com seu pai, seguimos Vladek desde sua juventude, mostrando que o polonês era um homem que dava muito valor ao trabalho e tinha uma presença de espírito incrível para perceber as mudanças em sua volta. Passamos pelo casamento de Vladek com sua primeira esposa e mãe de Artie, Anja e todos os acontecimentos que se seguem durante a narrativa da Graphic Novel.

Maus
Vladek narrando para Artie sua história

Dentre estes acontecimentos “felizes” com Vladek, a Alemanha Nazista começou sua jornada de conquista do leste Europeu e nos é mostrado, pouco a pouco, como os Alemães foram agindo. A princípio era nada que afetasse a Vladek e seus familiares. Mas aos poucos, tudo material e a liberdade das pessoas foram tomadas com a invasão Nazista à Polônia. Aqui, cabe dizer que certos paralelos atuais de realidade com relação a propagandas populistas, chegam a ser assustadores. Daí para frente, começa a Saga de Vladek até chegar no ponto mais pesado e denso da história: Seu período no campo de Concentração Nazista Auschwitz.

A Europa mudando aos poucos…

Tudo é narrado e mostrado ao leitor de forma muito nua e crua. Desde a forma que os prisioneiros eram embarcados nos famosos trens da morte, a como eram selecionados quem vivia ou quem morria. Situações de encarceiramento semanais, onde os prisioneiros precisavam fazer suas necessidades fisiológicas em cima uns dos outros, doenças, traições, desespero coletivo e até mesmo, o apego a espiritualidade, vêm para o leitor como um literal soco no estômago de desconforto.

Maus
O portão de Auschwitz

Entre cada ponto chave da narrativa, a história de Vladek no holocausto se reveza com sua história real junto a seus parentes e ao próprio Artie. Em determinado momento, nos é mostrado também como Artie se sente sobre tudo o que está conhecendo pelas palavras de seu pai e fica em dúvida de como colocar tudo isto em uma história em quadrinhos. Contemplamos também, sobre uma das primeiras histórias em quadrinhos do próprio Artie, que é um ponto importante dentro da narrativa do relacionamento entre o pai e o filho.

Um dos primeiros quadrinhos de Artie Spiegelman

Maus também trás a Metáfora que a estiliza e é geralmente, o que é mais conhecido até por quem não leu a história: Os humanos trocados por animais nos desenhos. Na verdade, as pessoas aqui são retratadas como antropomorfos, com todos os aspectos físicos de humanos, mas com cabeças de animais. Os poloneses judeus são retratados como ratos, os Alemães como Gatos, os poloneses não-judeus como porcos, franceses como sapos, americanos como cães, etc. Este artifício utilizado faz a história ser muito mais rica em referências e nos mostra, inconscientemente, a cadeia de sobrevivência dos animais.

Conforme a guerra se desenrola, cada um dos fatos que tem relação com Vladek são citados. Vladek passa por situações de quase morte a situações incríveis onde sua perspicácia e até mesmo a educação, faz alguns de seus inimigos se afeiçoarem a ele. Descrições das câmaras de gás, fuzilamento, trotes e outros estratagemas que sempre ocasionavam a morte dos prisioneiros, são narrados aqui com extrema definição, fazendo a leitura se tornar muito tensa e pesada em determinados momentos.

Falando em situações tensas, a saúde de Vladek durante a história não está muito boa. Estas e outras coisas, são resultado de seu período durante o holocausto. Vladek adquire também, vários traumas que causam desconforto familiar e até mesmo, situações embaraçadas. É mostrado também, que Vladek também tem preconceito com as pessoas por vários motivos que vamos entendendo durante a história. Parece que não, mas até mesmo Vladek durante tudo o que passa, parece às vezes não ter aprendido algumas lições com sua própria história.

Maus
A segunda esposa de de Vladek, Mala, falando sobre os costumes de seu marido

Nada mais a comentar que não se torne spoiler da história ou dos acontecimentos. Por ser um review SEM SPOILERS, vamos ficando por aqui.

Maus vale a pena?

Vale demais! Maus é um testamento para a humanidade. A história real e narrada por Vladek nos coloca a pensar para onde nossa humanidade está caminhando. Temos muito a aprender com o comportamento e história de Vladek, desde as coisas boas às coisas ruins. Tudo em Maus faz questão de mostrar ao leitor que não se trata de uma história em quadrinhos e sim, uma história real em quadrinhos. Portanto, leiam Maus! Esta Graphic Novel deve estar em sua coleção e deve ser lida de tempos em tempos, para acompanharmos se a humanidade, um dia vai aprender esta triste lição.

Caso queiram adquirir Maus, cliquem aqui para comprar no site da Amazon com desconto.

Espero que tenham gostado deste humilde review. Obrigado pela atenção, e até mais!

Léo Palmieri

Léo Palmieri

Pai, marido, nerd. Fã do Surfista Prateado e do Superman, juntou uma equipe de super-pessoas para trabalhar no projeto Crossover NERD com o intuito de divulgar o belíssimo mundo geek!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *