Mank: Uma Viagem ao Passado

Mank: Uma Viagem ao Passado

David Fincher, mesmo diretor de ‘’Clube da Luta’’ e ‘’Se7en, os sete pecados capitais’’ retornou dessa vez através da plataforma de Streaming Netflix com seu novo filme ‘’Mank’’, obra idealizada e escrita pelo seu finado pai Jack Fincher. De acordo com a sinopse original: A Hollywood da década de 1930 é vista pelo olhar crítico do roteirista Herman J. Mankiewicz, em meio aos seus esforços para terminar o roteiro de Cidadão Kane. Um ótimo filme para quem gosta da 7º arte, pois é uma total imersão a esse mundo durante a década de 30, com direito a ser em preto e branco e com técnicas de filmagem e edição da época. Até acabamos esquecendo que estamos assistindo um filme de 2020. Acompanhe nosso review sem spoilers.

Onde entra Cidadão Kane na história?

É importante saber que a autoria do roteiro de ‘’Cidadão Kane’’ é uma grande treta no mundo do cinema. ‘’Oficialmente’’, um dos melhores filmes de todos os tempos é conhecido pela direção de Orson Welles e roteiro de Herman Mankiewicz, porém Mank em seu discurso ao Oscar revela ter escrito tudo sozinho e sem a presença de Welles. Desde então, originou-se uma briga sobre os créditos do roteiro. Fincher escolheu um lado, mas prefere concentrar tudo na criação da obra colocando vários easter eggs. Não acho totalmente necessário assistir Cidadão Kane para assistir Mank (apesar de que isso seria melhor e ajudaria na compreensão do filme).

Mank

O contexto social da época não fica de fora em Mank

Sabemos que 1930/40 são décadas conturbadas da história da humanidade e o filme não deixa isso escapar, situando o contexto político-econômico-social como, por exemplo, a Grande Depressão e a ganância que existia no meio dos estúdios em meio ao aumento da miséria.

Grandiosa escolha de elenco

Gary Oldman, que interpreta Mankwicz, se entregou completamente ao papel de bêbado, fanfarrão, irônico, debochado e icônico roteirista. Devo dizer que foi o meu papel favorito do ator até então (mesmo eu sendo muito fã do Sirius Black). Mankiewicz era conhecido por ser um total beberrão, Oldman parece a todo momento estar exausto de tudo e todos, sempre parecendo ou estando realmente de ressaca. Amanda Seyfried também foi esplendida e cativante em seu papel, entregando tudo, principalmente na cena do ‘’zoológico’. Não duvido nada sobre Mank ter diversas indicações a grandes academias, pois é um filme que agrada bastante aos votantes delas.

Mank

Pontos negativos do filme, de acordo com a revista ‘’eu mesma’’

Mank é um filme que deixa a desejar quando o assunto é emoção, não que não haja tentativas de expressá-las, porém, em minha opinião, o filme, por mais que tente, não consegue. Também não acredito que seja um filme totalmente dinâmico, o que acaba o tornando um pouco cansativo e lento lá pela metade. A obra é um tanto restritiva para amantes de cinema, afastando um pouco aquele público que apenas quer sentar no sofá, ligar a Netflix e se divertir.

Mank: Considerações Finais

Bom, não considero Mank uma obra de arte de David Fincher, mas mesmo assim um ótimo filme e um dos melhores do ano! Mostrando o melhor do diretor. Espero mesmo que venha os prêmios merecidos e, para finalizar, terei que usar a frase chata daqueles cinéfilos que ninguém gosta: Infelizmente, não é um filme pra todo mundo.

Nota da redatora: 8,5/10 ou 4,0/5,0

Mank

Gostaram de Mank? Deixem aí nos comentários se gostaram do filme! Tchau!

Ana Maria Bortuluzzo

Ana Maria Bortuluzzo

Estudante, testemunha de Parasita, fã de filmes e séries que se juntou ao Crossover nerd pra espalhar mais sua paixão pela 7° arte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *