fbpx

Batman: Alma do Dragão – Uma homenagem às artes marciais dos anos 70

Batman: Alma do Dragão é a mais nova animação da Warner Bros referente ao universo DC. Misturando o universo do homem-morcego com todo o ambiente do cinema setentista das artes marciais, esta animação é de longe uma das melhores já produzidas pelo estúdio. Acompanhe nosso review SEM SPOILERS da animação!

Enredo de Batman: Alma do Dragão

Em primeiro lugar, é bom entender que Batman: Alma do Dragão não é um filme da cronologia dos filmes animados da DC. Ou seja, é uma animação a parte e que se passa em um universo alternativo. A animação em si, possui um enredo bem simples: O Agente especial Richard Dragon em uma de suas missões, descobre que um culto está tentando abrir um portal para um mundo desconhecido, onde o grande Deus Cobra Naga vive. A partir deste momento, Richard começa uma cruzada em busca de seus antigos colegas de treinamento e que sabem tudo sobre este perigo. São eles: O Bilionário Bruce Wayne (Batman), a mortal Lady Shiva e o corajoso Ben Turner (Tigre de Bronze). É isso mesmo que você leu! Batman trabalhando ao lado do Tigre de Bronze e de Lady Shiva!

Batman: Alma do Dragão
Um “Dream Team” das artes marciais da DC

O Enredo vai se desdobrando aos poucos, trazendo vários flashbacks do passado onde este incrível quarteto das artes marciais do universo DC, treinaram juntos no passado. Como todo bom filme de artes marciais daquela época, os famosos clichês de vingança, superação e espionagem vem como uma marreta na cabeça do espectador. O filme é lotado de referências aos clássicos filmes da Shaw Brothers e Golden Harvest dos anos 70, desde a música à caracterização!

Um filme do Batman com muito menos Batman

Eis aí um detalhe importante! Se você espera uma animação do estilo “Eu sou a noite“, vai dar de cara com Funk setentista e Black power. Eu assisti a animação duas vezes para elaborar um review melhor e claramente, Batman é só um detalhe na animação. Embora ele tenha seus momentos, claramente o protagonista do filme é Richard Dragon. E aí você me pergunta: Quem diabos é Richard Dragon?

Richard Dragon é um personagem criado pelo lendário roteirista Dennis O’Neil, conhecido quadrinista que revolucionou nos anos 70 incluindo histórias mais soturnas e de cunho social nas HQ’s da DC comics, trabalhando com melhores paralelos de realidade do que seus colegas de profissão. Richard Dragon apareceu pela primeira vez na HQ “Richard Dragon, Kung Fu Fighter” de 1975 onde O’Neil fez parceria com o grande Jim Berry.

Batman: Alma do Dragão

A animação trabalha todos os momentos do presente dos personagens (anos 70) e contextualiza o espectador o tempo todo com vários flashbacks, mostrando o treinamento do incrível mestre O-Sensei (Oriundo das HQ’s de Richard) e o relacionamento entre eles desde os primeiros conflitos, até se tornarem de fato, uma família marcial. Porém, mesmo o filme seguindo uma narrativa diferente do que é comum hoje em dia, Bruce Wayne tem muito mais lugar na animação do que seu Alter Ego encapuzado. Desde sua chegada a Nanda Parbat para treinar com O-Sensei até a reunião com seus antigos colegas de treino, as aparições do homem-morcego seguem um padrão básico, para dividir espaço entre todos os outros elementos.

Batman aparece pouco, mas em pontos-chave da animação

Chego a pensar que colocaram o Batman na animação julgando que talvez, Richard Dragon ou Lady Shiva não seriam suficientes, nos mesmos moldes do que foi feito na primeira animação do Liga da Justiça Dark, onde Batman literalmente estraga a animação de tanto fan-service. Porém aqui, seus poucos momentos favoreceram todas as referências que o filme quis mostrar.

Quando Operação Dragão encontra o Universo DC

Batman: Alma do Dragão é o famoso caso de filmes que trabalham as referências. Embora tenha desenhos bem cartunescos até, a animação claramente não é indicada para crianças. Como todo bom filme de artes marciais setentistas, a violência é servida em pratos cheios aqui. Dos famosos golpes “nukitê” a decapitações, Batman: Alma do Dragão traz praticamente todos os elementos que deixaram atores como Bruce Lee e Jim Kelly, famosos no mundo das artes marciais. E por falarmos em Bruce Lee, a animação traz homenagens à rodo ao maior artista marcial de todos os tempos. No filme por exemplo, vemos personagens caracterizados e baseados em alguns vilões que Bruce Lee enfrenta em seus filmes, como o Karateka O’Hara, que era interpretado pelo incrível Robert Wall em Operação Dragão de 1973 e Colt, interpretado por Chuck Norris em O Vôo do Dragão de 1972. O próprio Richard Dragon, é baseado em Bruce Lee nesta animação, com todas as características do ator.

Batman: Alma do Dragão
O’Hara (Bob Wall) e Colt (Chuck Norris) não foram esquecidos nas referências

Os visuais de Lady Shiva por sua vez, são claramente inspirados pelas artistas Cheng Pei Pei (Come Drink With Me e o Tigre e o Dragão) e a eterno par romântico de Bruce Lee em seus filmes, Nora Miao. Aliás, Lady Shiva no filme, é a melhor artista marcial viva, assim como sua contraparte dos quadrinhos. As referências às atrizes lendárias do cinema setentista não foi por acaso.

Nora Miao e Cheng Pei Pei influenciaram diretamente Lady Shiva no filme

Agora este aqui foi genial! Ben Turner, o Tigre de Bronze, foi baseado no grande ator americano Jim Kelly, sem tirar e nem por. Todos os clichês, desde seu jeito peculiar de falar (o artista marcial Michael Jay White Dublou o personagem) a famosa referência a seu dojo de Karate, estão no filme. Jim Kelly ficou famoso por ser um dos personagens principais na obra-prima Operação Dragão junto a Bruce Lee e em seus filmes solo Black Belt Jones e Take a Hard Ride. Vale lembrar que após Operação Dragão, o Ocidente se rendeu completamente aos filmes de artes marciais, sendo este um dos gêneros mais lucrativos até meados dos anos 90.

Batman: Alma do Dragão
A inspiração para o Tigre de Bronze foi Jim Kelly, grande ator de artes marciais americano nos anos 70

E para finalizar a referência dos personagens, Bruce Wayne foi baseado em um dos maiores durões dos anos 70, Steve Mcqueen. Embora Bruce tenha cabelos negros, suas vestimentas e estilo nos remetem claramente a atuações de McQueen em filmes como Inferno na Torre e Bullit (Bruce dirige um Mustang cheio de surpresas na animação). A Warner caprichou nas referências neste filme.

Batman: Alma do Dragão
Bruce Wayne no melhor estilo Steve McQueen

Uma outra referência marcante nos filmes, é o que chamamos de “Inconsistência marcial“. No filme temos Ninjas, artistas marciais de outros estilos e nomes que não são coesos entre si. Esta característica se dava muito pelos estúdios e diretores do ocidente não pesquisarem a fundo sobre artes marciais antes de um filme e isto claramente, foi trazido para a animação como um easter Egg. Um dos exemplos disso na animação, é que O-Sensei pega uma Facão “Chinês” e diz que o mesmo foi forjado pelo antigo mestre ferreiro “JaponêsMuramasa, onde na realidade é sabido que Muramasa fazia Katanas e não os famosos “Dao” chineses. Isto foi trazido propositalmente, pois durante muito tempo (E sinceramente até a globalização) os orientais como chineses, japoneses, coreanos e vietnamitas eram tratados como a mesma coisa. Isso se estendia totalmente até as suas culturas, que são diferentes entre si, mas a xenofobia americana fazia questão de não aprender a diferenciar. Para a experiência do filme ser completa, não faria sentido deixar esta referência (que considero a mais interessante) de fora. Operação Dragão foi um dos primeiros filmes do cinema a não ter estas inconsistências, devido a Bruce Lee ser um dos diretores. Vale lembrar também, que a produtora da animação, a Warner Bros, foi a co-produtora de Operação Dragão junto à Golden Harvest em 1973.

Batman: Alma do Dragão
Facão chinês forjado por ferreiro Japonês. Um easter egg demonstrando como as artes marciais eram tratadas pelos estúdios nos anos 70

Batman: Alma do Dragão vale a pena?

Vale demais! Fazia tempo que eu não me divertia tanto assistindo a uma animação da DC/Warner. A animação possui ótimas coreografias de luta (característica que a Warner vem melhorando cada vez mais em suas animações), uma trilha sonora de Funk Setentista com muitas guitarras usando o efeito “Wha Wha“, orquestrações rápidas para todos os movimentos dos personagens e todos os clichês possíveis que trazem um pouco da magia do que eram os filmes de artes marciais dos anos 70. O cuidado com o filme foi tamanho, que os dubladores originais dos personagens lutadores, são feitos de fato por atores de artes marciais conhecidos. Mark Dacascos (Esporte Sangrento, Lágrimas do Guerreiro) dubla Richard Dragon. Kelly Hu (Vingança entre assassinos e série Leis Marciais) dubla Lady Shiva e o grande Michael Jay White (Quebrando Regras 2, Lutador de Rua) dubla Ben Turner. Um outro dublador que é bom citar, é o lendário ator James Hong, conhecido aqui no Brasil por interpretar o vilão Lou Pan no famoso filme Aventureiros do Bairro Proibido. Uma animação que consegue em pouco tempo sintetizar este tanto de carga nostálgica e referências, tem que ganhar seus méritos. Assistam e se divirtam!

Uma das melhores animações da DC com toda a certeza. Assistam!

Espero que este humilde review lhes dê vontade de assistir a animação. Obrigado pela atenção e até mais!

Avatar

Léo Palmieri

Pai, marido, nerd. Fã do Surfista Prateado e do Superman, juntou uma equipe de super-pessoas para trabalhar no projeto Crossover NERD com o intuito de divulgar o belíssimo mundo geek!

%d blogueiros gostam disto: